Crédito: Anna Jessy FotografiaCrédito: Anna Jessy Fotografia

 Cólicas, barriga e seios inchados e finalmente a menstruação chegou. Tomei meu banho, coloquei o coletor e fui resolver algumas coisas em casa, ainda de toalha. Voltando para o quarto, na hora de vestir a roupa, comecei a procurar o coletor, lembrem que o nome do blog é E agora 40, ou seja, a gente esquece coisas. Depois de alguns minutos (poucos tá? risos), lembrei- gente, já coloquei o coletor!

É nessa fase, o terceiro ciclo com o coletor, que a paz se instaura. A gente sabe qual é o melhor jeito de colocar, quando bota o corpo entende que é para acomodá-lo e também aprendemos como retirá-lo de forma fácil. Como resultado da persistência, nos sentimos mais limpas ao longo do dia, sem aquele sangue acumulado no absorvente, e podemos fazer atividades físicas, ir à praia, tudo sem se preocupar em estar menstruada.

Junto com esse sentimento de liberdade, vem a praticidade. Para higienizar o coletor, a cada ciclo você deve ferver por cinco minutos e durante o período menstrual basta lavar no banho com sabão neutro. Ele dura em média 10 anos, o que também é uma vantagem sobre o absorvente, que precisamos comprar mensalmente. Além da economia, ao escolher usar o coletor protegemos o meio ambiente. É estimado que a mulher faz uso de cerca de dez absorventes descartáveis durante o período menstrual, e de 10 a 15 mil da puberdade até a menopausa. Sabemos que resíduos é um problema no mundo e no Brasil não é diferente, não existe reciclagem para esse tipo de resíduo e eles são descartados em lixões ou aterro sanitários, demorando 100 anos para se decomporem na natureza. Então, vamos fazer nossa parte? Beijinhos e até o próximo post.

 

Pesquisa

Destaques

Estilo é ser você

Crédito: Tiago LimaCrédito: Tiago LimaAcompanhar a moda é difícil, toda hora recebemos informações sobre novidades e o que se deve usar ou deixar de usar, dá uma canseira danada. Mas, pode ser que mesmo você consiga acompanhar o mundo frenético fashion, ainda não alcance o resultado desejado, ter seu próprio estilo. Vamos falar sobre isso agora?!

Leia mais...

Quem dança seus males espanta

Apresentação no Teatro de Cultura PopularApresentação no Teatro de Cultura Popular

Ainda lembro o dia que entrei na sala do estúdio que eu frequento. Era a primeira aula de tribal, uma fusão de dança do ventre com outros estilos, e quando a professora ia pra um lado, eu ia para o outro. Envergonhada, fiquei lá traz desejando ser invisível, embora não escapasse dos olhos atentos da professora. O meu corpo não acompanhava o raciocínio do movimento e eu pensava, estou com 39 anos isso não vai dar certo.

Leia mais...

.

14240