Assisti um filme que mexeu comigo e não poderia deixar de compartilhar com vocês, ‘Big Eyes’,em português ‘Grandes Olhos’ . O drama, dirigido por Tim Burton, é baseado na história real da vida da pintora Margaret Keane, nas décadas de 50 e 60. O que a princípio tinha sido a escolha aleatória de um filme para assistir num dia chuvoso e preguiçoso, trouxe algumas inquietações.

Essa mulher incrível, Margaret, pintava crianças com grandes olhos e , depois da primeira separação e com uma filha, conheceu Walter Keane, um grande vendedor, com quem se casou. Daí eu pensei, que bom ela refez a vida, apesar da época machista (e ainda vivemos sob essa ditadura).

Aconteceu que ele começou a vender os quadros que ela pintava como se fossem de autoria dele- nesse ponto do filme a gente já garra no ódio né?! Pois bem, ela descobriu o que ele estava fazendo e sabem o que ela fez? Nothing, niente, nadaaaaaaaaaa- apatia geral. Aliás, ela fez, começou a pintar escondido para que ele ficasse conhecido como autor dos quadros. Como assim gente, ela ficou só observando ele posar de artista. Mas um dia a casa cai, né? Lógico que uma mulher forte um dia se rebela, nesse caso ela demorou anos e ainda teve que lutar pelos direitos autorais das suas obras.  Por isso, vamos abrir os olhos? Ceder até onde? Até onde é amor?? fica a dica de filme e de vida Beijjossssssssssssss 

Pesquisa

Destaques

Estilo é ser você

Crédito: Tiago LimaCrédito: Tiago LimaAcompanhar a moda é difícil, toda hora recebemos informações sobre novidades e o que se deve usar ou deixar de usar, dá uma canseira danada. Mas, pode ser que mesmo você consiga acompanhar o mundo frenético fashion, ainda não alcance o resultado desejado, ter seu próprio estilo. Vamos falar sobre isso agora?!

Leia mais...

Quem dança seus males espanta

Apresentação no Teatro de Cultura PopularApresentação no Teatro de Cultura Popular

Ainda lembro o dia que entrei na sala do estúdio que eu frequento. Era a primeira aula de tribal, uma fusão de dança do ventre com outros estilos, e quando a professora ia pra um lado, eu ia para o outro. Envergonhada, fiquei lá traz desejando ser invisível, embora não escapasse dos olhos atentos da professora. O meu corpo não acompanhava o raciocínio do movimento e eu pensava, estou com 39 anos isso não vai dar certo.

Leia mais...

.

12360