Crédito: Anna Jessy FotografiaCrédito: Anna Jessy FotografiaLembro que em uma missa de páscoa que organizamos na Petrobras, aonde trabalhei na comunicação por cinco anos, compareceram só duas pessoas, fora a equipe do padre e a nossa. Tivemos que fazer esse evento num prédio vizinho e foi por isso, pelo menos achamos, que as pessoas não foram até lá.

Nessa época, faziam parte da equipe dois budistas, eu e um grande amigo e parceiro de trabalho, Diago Sávio. E com a falta de quórum tivemos que, além de organizar, participar ativamente da missa levando as ofertas na hora da benção. Toda a equipe que sabia da nossa opção religiosa ficou rindo, pelo estranhamento, e dizendo que éramos hereges e coisa e tal, brincadeira deles, pois na comunicação a gente perdia o amigo, mas nunca a piada.

Durante o ritual, confesso que fiquei um pouco constrangida, afinal os meus ritos religiosos são totalmente diferentes dos cristãos. E ali, na hora da oferta, olhei para o meu amigo no trajeto de onde pegamos os objetos sacros e levamos até o altar, ele percebendo a minha inquietação, olhou-me com os olhinhos sorridentes e disse: o que importa é o coração.

Nada é por acaso, nesse dia aprendi sobre um sentimento muito digno chamado respeito ao que não faz parte das suas crenças e dos seus costumes. E se páscoa significa renascer, naquele dia entendi o significado profundo do renascimento através do mais valioso tesouro de todos, o coração. Meu mestre, Nitiren Daishonin, escreveu: “somente o tesouro do coração nos permite ter a força para vencer até o fim e consagrar nossa existência com glórias. Dessa forma, seguimos por todas as existências futuras, imbuídos das quatro nobres virtudes da eternidade, felicidade, verdadeira identidade e pureza”. Boa páscoa!

Destaques

Estilo é ser você

Crédito: Tiago LimaCrédito: Tiago LimaAcompanhar a moda é difícil, toda hora recebemos informações sobre novidades e o que se deve usar ou deixar de usar, dá uma canseira danada. Mas, pode ser que mesmo você consiga acompanhar o mundo frenético fashion, ainda não alcance o resultado desejado, ter seu próprio estilo. Vamos falar sobre isso agora?!

Leia mais...

Quem dança seus males espanta

Apresentação no Teatro de Cultura PopularApresentação no Teatro de Cultura Popular

Ainda lembro o dia que entrei na sala do estúdio que eu frequento. Era a primeira aula de tribal, uma fusão de dança do ventre com outros estilos, e quando a professora ia pra um lado, eu ia para o outro. Envergonhada, fiquei lá traz desejando ser invisível, embora não escapasse dos olhos atentos da professora. O meu corpo não acompanhava o raciocínio do movimento e eu pensava, estou com 39 anos isso não vai dar certo.

Leia mais...

.