Parecia um sábado qualquer, até que em uma reunião vespertina, só com gente boa, sabe aquele papo que vai rolando e a gente esquece quando é sério e quando é piada? Pois é, estava eu numa situação dessas, graças a Deusa, quando de repente, não mais que de repente, surgiu uma conversa sobre vício.

Uma das amigas é fumante, há muitos anos, e a gente discorria ali o quanto o cigarro é prejudicial e tudo mais que é divulgado sobre os malefícios da nicotina . . . a fumante (com o cigarro na boca) concordou com tudo e se preparou para ir fumar na varanda, mas a democracia permite isso né?! (rsrs). Foi nessa exata hora, que uma outra amiga se saiu com o seguinte relato:

- Meninas, houve um tempo que fiquei duas semanas com vontade de fumar. Não podia ver um cigarro que queria.  Me segurava e repetia pra mim que aquilo não seria bom e me trabalhei muito pra não começar a fumar. A mesma coisa foi com homem. Passei duas semanas com vontade de ficar com homem, eu paquerava até os frentistas. Mas passou também, ufa!!. E nunca mais tive vontades contra a minha natureza.

Pausa para os risos incontroláveis de quatro amigas que estavam falando sobre um projeto seríssimo. Não podia deixar de compartilhar essa história maravilhosa do dia que homens e cigarros se tornaram vícios afins. Bom domingo!

 

Destaques

Estilo é ser você

Crédito: Tiago LimaCrédito: Tiago LimaAcompanhar a moda é difícil, toda hora recebemos informações sobre novidades e o que se deve usar ou deixar de usar, dá uma canseira danada. Mas, pode ser que mesmo você consiga acompanhar o mundo frenético fashion, ainda não alcance o resultado desejado, ter seu próprio estilo. Vamos falar sobre isso agora?!

Leia mais...

Quem dança seus males espanta

Apresentação no Teatro de Cultura PopularApresentação no Teatro de Cultura Popular

Ainda lembro o dia que entrei na sala do estúdio que eu frequento. Era a primeira aula de tribal, uma fusão de dança do ventre com outros estilos, e quando a professora ia pra um lado, eu ia para o outro. Envergonhada, fiquei lá traz desejando ser invisível, embora não escapasse dos olhos atentos da professora. O meu corpo não acompanhava o raciocínio do movimento e eu pensava, estou com 39 anos isso não vai dar certo.

Leia mais...

.