Assistir Leila Pinheiro se apresentar seja no palco ou na televisão sempre me deixa impressionada pelo seu estilo clássico e ao mesmo tempo contemporâneo. A elegância traduzida em conforto e roupas com cortes interessantes e estruturados faz todo o sentido dentro da lógica estética que ela adotou para cantar e se vestir, a bossa nova.

No início da carreira, quando a feminilidade era exaltada nos looks, ousou usando blazer e calça alfaiataria, que é uma peça que faz parte do guarda-roupa dela até hoje. Fugindo das famosas tendências da moda, Leila confirma a estética apostando em peças atemporais, mas sem perder a descontração.

A bossa nova foi um movimento musical iniciado por João Gilberto, Vinícius de Moraes e Tom Jobim no final da década de 1950, mesclando influências de jazz e samba. Nesse período, pós-guerra mundial, a moda vivia influências do new look de Dior, que era pautado em cintura marcada, saia godê, redonda e ampla. Por outro lado, também havia um movimento de liberdade feminina surgindo o uso do biquíni, da calça e do terninho. A blusa branca também era peça fundamental no guarda-roupa das mulheres arrojadas da época. Todos esses elementos podem ser encontrados nos nossos looks atualmente e fazem morada também no estilo dessa mulher que resolvemos homenagear pela elegância e estilo, salve Leila Pinheiro.

Destaques

Estilo é ser você

Crédito: Tiago LimaCrédito: Tiago LimaAcompanhar a moda é difícil, toda hora recebemos informações sobre novidades e o que se deve usar ou deixar de usar, dá uma canseira danada. Mas, pode ser que mesmo você consiga acompanhar o mundo frenético fashion, ainda não alcance o resultado desejado, ter seu próprio estilo. Vamos falar sobre isso agora?!

Leia mais...

Quem dança seus males espanta

Apresentação no Teatro de Cultura PopularApresentação no Teatro de Cultura Popular

Ainda lembro o dia que entrei na sala do estúdio que eu frequento. Era a primeira aula de tribal, uma fusão de dança do ventre com outros estilos, e quando a professora ia pra um lado, eu ia para o outro. Envergonhada, fiquei lá traz desejando ser invisível, embora não escapasse dos olhos atentos da professora. O meu corpo não acompanhava o raciocínio do movimento e eu pensava, estou com 39 anos isso não vai dar certo.

Leia mais...

.